Representantes do Conselho Ministerial da Água da África se reuniram na cidade de Entebbe, na Uganda, em 18 e 19 de janeiro, para destacar temas importantes para o continente e que deverão ser levados ao 8º Fórum Mundial da Água. O resultado dos debates, que inclui, entre outros assuntos, segurança da água, ecossistema e mudanças climáticas, fará parte do Relatório Regional Africano, uma das atividades do Processo Regional do 8º Fórum.

Osward Chanda, diretor do departamento de água e saneamento do Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB, sigla em inglês), disse que os políticos precisam se sensibilizar e formular políticas públicas que envolvam elementos relacionados às mudanças climáticas, à criação de emprego para jovens no setor de água, aos sistemas ecológicos e ao desenvolvimento da água.

Ahmed Eldaw, coordenador regional da Global Water Partnership Eastern Africa, ressaltou que existem questões-chave que a região precisa focar, como o impacto das mudanças climáticas e da segurança da água, do ecossistema e de outras questões relacionadas às pessoas.

Chanda observou que o Fórum Mundial da Água é uma oportunidade para participar ativamente das discussões mundiais sobre a água e garantir que a perspectiva da África seja adequadamente apresentada em um diálogo global. O evento acontecerá em Brasília, entre 18 e 23 de março de 2018.

Realidade africana

Osward Chanda ressaltou que há uma lacuna de financiamento no setor hídrico africano. “O continente precisa de US$ 14 bilhões para abastecer o setor de água por ano. Atualmente, o AfDB injeta US$ 3 bilhões para melhorar o setor de água e saneamento no continente”, revelou.

De acordo com Chanda, investimentos maciços no desenvolvimento e gerenciamento integrado da água são fundamentais para garantir a segurança sustentável desse recurso, a produção de alimentos e energia de forma inclusiva.

A estratégia do continente africano para o horizonte de 2013-2022 está concentrada em investimentos no desenvolvimento e gerenciamento integrado de recursos hídricos para ampliar a qualidade e garantir a segurança da água, da agricultura e do desenvolvimento de energia no continente de forma sustentável.

Segundo Chanda, essas ações são capazes de promover a qualidade de vida das pessoas e realçar o papel da água na transformação da sociedade africana.




 

*Com informações do site News Vision, da Uganda.